Liga da Mulhere Angolana
Estrutura Historia Album foto Estatutos Musica Projecto Vídeos
Fonte : UNITAANGOLA
ACJ Dia da LIMA 18 de Junho de 2024 fotos (3)Declaração..jpg
Estamos de parabéns-há 52 anos num Dia como Hoje, Nascia a Liga da Mulher Angolana-LIMA
Breve Historial

A LIMA, Organiza√ß√£o feminina da UNITA, foi criada a 18 de junho de 1972, por ocasi√£o da 8¬™ Confer√™ncia anual do Partido, no Massivi, prov√≠ncia do Moxico e ratificada pelo 3¬ļ Congresso Ordin√°rio do UNITA, em 1973.

Surge como reflexo da necessidade de uma participação mais activa e organizada da Mulher Angolana na luta pela Independência Nacional, pela Unidade, Justiça Social, Desenvolvimento Sociocultural e Económico, condição de garantia da sua Liberdade, Dignidade e Valorização.

Ao falarmos da organização, começamos pela retrospectiva do que foi o trabalho da Mulher, antes da fundação da UNITA-União Nacional para Independência Total de Angola, no Muangai, província do Moxico.

quais foram as causas que levaram o Presidente fundador Dr. Jonas Malheiro Savimbi, a criar a LIMA?

2- A participação da LIMA na Luta de Libertação Nacional contra o colonialismo português e na Resistência Popular Generalizada contra a ocupação estrangeira;
3- A Luta pela Igualdade de Género, Valorização e Dignificação da Mulher.

A Luta de Liberta√ß√£o Nacional contra o colonialismo portugu√™s, n√£o foi f√°cil. enquanto os homens se constitu√≠am em grupos m√≥veis de guerrilha, as mulheres permaneciam nas aldeias e bairros, organizadas em c√©lulas clandestinas dedicadas na recolha de informa√ß√Ķes, quotiza√ß√Ķes em dinheiro, g√©neros aliment√≠cios, vestu√°rios, medicamentos, produtos de higiene, ao mesmo tempo que espalhavam a mensagem da UNITA.

Foi um trabalho árduo, complexo em que muitas delas eram perseguidas e presas pela Pide DGS polícia política do governo português naquela altura. de muitas que participaram nessas actividades, destacaram-se entre outras:

No Moxico- as Senhoras: Viola Jamba Chingunji, Amélia Ussova Malaquias, Victória Kanganji, Laurinda Prata, Celestina Jamba, Augusta Sakuanda, Alice Nambote, etc, algumas já falecidas.

- No huambo- Amélia Edite Epalanga e Tita Malaquias.

Em Luanda- as Senhoras: Cecília Moreira Muhamba, Maria Nakam?la Chimbili, Delfina Nené Inácio, Natália Kussia e outras.

Na província de Benguela- Teresa Numanaua Kakunda Chissanguela e outras .

No Congo Kinshassa- as Senhoras: Maria Etossi Chinhama, Luísa Chipuco Mundombe, Helena Wonjimba, Rosa Nené, Maria Nassoleka, Manuela Lombendo, Maria Chinguto, etc.

Na Z√Ęmbia- as Senhoras: Celestina Kangende, Patr√≠cia Sakasoli Silas, Nhamalina Chilala, Gina Kangende, Ruth Nassussu Njunjuvili, Augusta Chingunji, etc.

Mais tarde, criaram-se bases tempor√°rias em matas com condi√ß√Ķes tempor√°rias em favor√°veis √† guerrilha, onde era poss√≠vel viver com as fam√≠lia.

Aí as mulheres participaram na formação militar, inicialmente ministrada pelo seu próprio Presidente fundador Dr. Savimbi. Apesar da escassez de fardamento e equipamento militar, as mulheres, com as suas crianças, às costas, estavam sempre prontas para aprender técnicas de comandos e de guerrilha. Das primeiras mulheres que beneficiaram de formação militar temos a destacar as Senhoras: Eunice Sapassa, Namacumbi, Laurinda Chissako, Rolasina Sessa e Isalina Kawina Kawunda.

Com a cria√ß√£o de tr√™s grandes Centros Escolares, nomeadamente, em Sandona, s√£o Lucas e Samuyuleno come√ßaram as aulas de alfabetiza√ß√£o e combate ao obscurantismo, onde se destacaram algumas mulheres que, mesmo em condi√ß√Ķes dif√≠ceis, sem material escolar, utilizavam peda√ßos de mandioca ou carv√£o como giz e t√°bua a servir de ard√≥sia ou quadro preto e para as crian√ßas utilizavam o m√©todo de escrever no ch√£o. Isto permitiu alfabertizar muitas senhoras e soldados.

As percursoras destas t√©cnicas de alfabetiza√ß√£o foram as Senhoras: Eunice Sapassa como Directora geral, Augusta Sakuanda, Salom√© Epolua Chinhama, como formadoras, distribu√≠das pelas tr√™s regi√Ķes militares criadas na altura.

Foram, igualmente criadas Unidades Hospitalares, onde al√©m de assist√™ncia aos guerrilheiros, suas fam√≠lias e popula√ß√Ķes, tamb√©m foram formados Quadros de sa√ļde, onde a mulher participava, destacando, o hospital de Volonguelo e Sandona.

Em todas as bases onde se encontravam, realizavam v√°rias actividades; pol√≠ticas, no sector da agricultura, na Log√≠stica, transportando alimenta√ß√£o, material de guerra para o apoio dos guerrilheiros. Neste quadro, foram not√≥rias, a entrega e dedica√ß√£o de mulheres como Isalina Kawina Kawunda, Vinona, Catarina Ululi, Augusta Sakuanda, Eunice Sapassa, Salom√© Epowa, Maria Chilombo, Laurinda Chissaco, Saria Mukumbi, J√ļlia Samuyuleno, Maria Namukumbi, Am√©lia Namukumbi, etc.

As Senhoras Saria Mukumbi e J√ļlia Mukumbi foram as primeiras a entrarem nas bases.

PRESIDENTES DA LIMA
1- Sra. Isalina Kawina Kawunda nomeada Presidente Nacional da LIMA, a quando da criação da Organização em 1972, na localidade do Massivi, na província do Moxico;
2- Sra. Eunice Sapassa, nomeada segunda Presidente Nacional da LIMA em 1974;
3- Sra. Alcina Njunjuvili Mateus nomeada terceira Presidente Nacional da LIMA em 1977, na 3¬™ Confer√™ncia da LIMA a quando da realiza√ß√£o do 4¬ļ congresso do Partido, na Benda, prov√≠ncia do Huambo;

4- Sra. Helena Jundi Kokelu Kakinda, nomeada Presidente Nacional da LIMA em 1979, na 4ª Conferência da LIMA, a quando da realização da XII Conferência anual do Partido Katapi Cuando Cubango;

5- Sra. Alda Juliana Sachiyambo nomeada Presidente Nacional da LIMA em 1980, no Cuando Cubango;

6- Sra. Ludovina Baca Joaquim, nomeada Presidente Nacional da LIMA em - 1984, na 6¬™ Confer√™ncia a quando da realiza√ß√£o do 1¬ļ Congresso Extraordin√°rio do Partido na Jamba, prov√≠ncia do Cuando Cubango;

7-Sra. Teresa Chipia, indicada Presidente Nacional Interina da LIMA, a quando da realiza√ß√£o da XVI Confer√™ncia do Partido, no Kunguene-Moxico, nessa altura, a LIMA realizou a 2¬™ Confer√™ncia Extraordin√°ria. Essa indica√ß√£o aconteceu numa altura em que, a titular da Organiza√ß√£o, Sra. Odete Joaquim, por falta de sa√ļde encontrava-se em tratamentos, fora do pa√≠s.

8- Sra. Miraldina Olga Jamba, em 2002, a quando da realização da 3ª Conferência Extraordinária da LIMA em Luanda, eleita em 2007, no I Congresso da LIMA e reeleita no II Congresso em 2011;

9-Sra. Helena Bonguela Abel, reeleita Presidente Nacional da LIMA, no IV Congresso Ordin√°rio da LIMA, realizado em Luanda, em 2020.

VIVA A LIGA DA MULHER ANGOLANA!

VIVA O 18 DE JUNHO DE 1972

VIVA O 52¬ļ ANIVERS√ĀRIO DA LIMA

LIMA P√ĀTRIA

LIMA UNIDADE:













www.unitaangola.org
¬©  Copyright 2013
Todos os direitos reservados LIMA (UNITA)
Terça-feira, 23 de Julho de 2024