UNITA - ANGOLA
Fonte :
UNITA
‚ÄúA Paz n√£o pode estar desligada da Democracia e do respeito pelos direitos Humanos‚ÄĚ
Presidente da UNITA, Adalberto Costa J√ļnior 01-04-2021.jpg
Defendeu o Presidente da UNITA, Adalberto Costa J√ļnior, que falava na tarde desta quinta-feira, 1 de Abril de 2021, √† imprensa, na sede Presid√™ncia do Partido, no encontro em alus√£o ao dia 4 de Abril, dedicado √† Paz e Reconcilia√ß√£o Nacional.

Em declaração à imprensa, que decorreu na Sede da sua Presidência na Maianga, em Luanda, criticou a forma como a data está ser celebrada de forma unilateral pelo governo angolano a partir de Luanda, entre mortes e ameaças em Cabinda e Lunda-Norte.

‚ÄúA paz democr√°tica exige que Angola p√°re com a guerra em Cabinda e inicie imediatamente o di√°logo. A democracia tem formas de solucionar reivindica√ß√Ķes regionais, hist√≥ricas, ou sociais no quadro do Estado unit√°rio de Angola. √Č preciso parar com a guerra e dialogar. N√£o se pode celebrar a paz em Luanda enquanto se faz guerra em Cabinda. N√£o se pode celebrar a paz no Cunene e ativar bazucas e morteiros contra cidad√£os no Cafunfo ou em outros lugares s√≥ por pensarem diferente‚ÄĚ.

‚ÄúA reconcilia√ß√£o que Abril celebra n√£o se deve limitar √† reconcilia√ß√£o entre o Estado do MPLA e a UNITA. √Č reconcilia√ß√£o nacional. A Na√ß√£o angolana √© bem mais ampla do que os subscritores dos Acordos de Paz‚ÄĚ, disse o L√≠der da UNITA.

Para Adalberto Costa J√ļnior, ‚Äú√Č preciso tomar medidas mais corajosas e consensuais para se concretizar a reconcilia√ß√£o entre o Estado angolano e as v√≠timas do fratric√≠dio do 27 de Maio; e entre os membros das fa√ß√Ķes do MPLA que utilizaram o Estado para ofender gravemente os direitos humanos de milharaes de de cidad√£os que por sinal eram correligion√°rios do mesmo Partido Estado‚ÄĚ.

‚ÄúO Estado angolano precisa de se reconciliar igualmente com as v√≠timas do fen√≥meno da Sexta-Feira sangrenta, com as v√≠timas do massacre no Monte Sumi e com todos os outros grupos sociais que sofreram as amarguras da exclus√£o e da viola√ß√£o brutal e preordenada dos seus direitos fundamentais, s√≥ por n√£o se submeterem √† ditadura do Partido-Estado‚ÄĚ, real√ßou Adalberto Costa J√ļnior.

‚ÄúA paz n√£o pode estar desligada da democracia e do respeito pelos direitos humanos, porque ela surge como consequ√™ncia de um Acordo para a mudan√ßa do regime pol√≠tico: de ditadura do prolectariado para democracia multipartid√°ria‚ÄĚ, acrescentou o Presidente da UNITA. O respons√°vel da UNITA exclareceu que, ‚ÄúA paz democr√°tica n√£o √© a paz dos vencedores, porque nenhum fratric√≠dio tem vencedores. Todos perdermos e todos ficamos mais pobres e mais √≥rf√£os. A paz democr√°tica √© a paz fundada em Bicesse, em 1991 e reafirmada em Lusaka, em 1994, e mais tarde no Luena, em 2002. A paz democr√°tica deve continuar a ser constru√≠das todos os dias por cada um de n√≥s‚ÄĚ.


www.unitaangola.org
C:\Mes Sites\Unitaangola29122013\UNITAANGO_WEB\coqUNITA.jpg
 Publicidade
Obra de Isaías Samakuva
Ex-Presidente da UNITA (2003-2019)
Todos os direitos reservados
Secretariado da comunicac√£o e Marketing da UNITA
União Nacional para Indepedência Total de Angola
¬©  Copyright 2002-2020
Quarta-feira, 21 de Abril de 2021