UNITAANGOLA
Fonte : KUP
Encerramento de mesquitas leva Muçulmanos Angolanos a realizar Ramadão na RDC
Muçulmanos Romadão em Angola(1).jpg
Mais de dez mil muçulmanos angolanos da Lunda Norte anunciaram domingo a realização do Ramadão, mês sagrado do Islão, na RD Congo, devido à “insensibilidade das autoridades locais” que encerraram, até Fevereiro, as 39 mesquitas da província.


Em declarações hoje à Lusa, o secretário da comunidade muçulmana na província, leste de Angola, António Muhalia, adiantou que duas solicitações para reabertura das mesquitas foram endereçadas ao governador provincial sem, no entanto, “qualquer parecer favorável”.


“Na primeira solicitação as autoridades apenas recordaram que estão canceladas todas as actividades dos muçulmanos aqui na província e não podem reabrir nenhuma mesquita e a segunda solicitação demos entrada ontem [sexta-feira] e ainda não tivemos resposta”, explicou.

“Também já informámos ao Governo da província que vamos à República Democrática do Congo para fazermos o nosso jejum porque o Ramadão começa no domingo e estamos a pensar viajar na segunda-feira”, acrescentou.

A comunidade islâmica na província da Lunda Norte “não exerce o seu direito de culto”, desde Fevereiro passado, período em que os mais de dez mil muçulmanos viram encerradas pelas autoridades, no quadro da Operação Resgate, as 39 mesquitas da província, segundo fonte da comunidade.


“Infelizmente estão encerradas no total 39 mesquitas, a maior parte aconteceu em 2018 e este ano mais duas foram encerradas. Não estamos a rezar e estamos impedidos de fazer os cultos”, disse anteriormente à Lusa, António Muhalia.


O Ramadão, mês sagrado do Islão, no qual a maioria dos muçulmanos pratica o ritual de jejum, começa no domingo, 05 de maio, e termina dia 04 de Junho.


Hoje, o líder islâmico fez saber que na sequência do encerramento das mesquitas os muçulmanos estão também impedidos de realizar o Ramadão “inclusive com ameaças de prisão”.


“É uma violação da nossa liberdade de culto e, deste modo, não teremos outra opção a não ser emigrarmos para a RDCongo para realizarmos as nossas orações, porque as autoridades estão insensíveis às nossas solicitações”, lamentou.


A religião islâmica ainda não é reconhecida pelas autoridades angolanas, mas noutras províncias angolanas, como na capital do país, as actividades dos muçulmanos “decorrem na normalidade”.

A ministra da Cultura de Angola, Carolina Cerqueira, anunciou em Janeiro, no parlamento, durante a discussão na especialidade da Lei sobre a Liberdade de Religião, Crença e Culto, que o Governo “acompanha a evolução do islamismo no país” e que vai tomar em breve uma posição.

www.unitaangola.org
C:\Mes Sites\Unitaangola29122013\UNITAANGO_WEB\coqUNITA.jpg
Opiniões
 Publicidade
Obra de Isaías Samakuva
Entrevistas
Facebook Youtube Twitter Contacto
Subscreva Newsletter
Todos os direitos reservados
Secretariado da comunicacão e Marketing da UNITA
União Nacional para Indepedência Total de Angola
©  Copyright 2002-2013
Segunda-feira, 15 de Julho de 2019