UNITAANGOLA
Fonte : KUP
Jurista atribui morte da Zungueira à desorganização do Estado
Polícia-Mata-Zungueira-No-Rocha-Pinto (1).jpg
A Presidente da Associação das Zungueiras, a jurista Amor de Fátima considerou que a morte da vendedora ambulante na zona do Rocha Pinto, distrito da Maianga, revela desorganização do Estado.

Amor de Fátima que reagia ao acontecimento fatal que afectou também outros cidadãos na sequência dos disparos efectuados no meio da multidão, qualificou ser um caos a situação vivida na noite do crime protagonizado pela polícia.

‚ÄúO que aconteceu ontem no Rocha Pinto foi um caos, houve inocentes que foram parar nos hospitais, porque a popula√ß√£o que estava a√≠ basicamente enfurecida por aquela atitude que levou √† morte a senhora, n√£o poupou viaturas, n√£o poupou. Entramos num estado desgovernado, no caso, dos agentes da pol√≠cia que, normalmente por alguma raz√£o acabam por abarcar para si o poder que lhes foi dado pelo Estado‚ÄĚ.

De acordo com a respons√°vel, ‚ÄúO processo de resgate da autoridade do estado parece que s√≥ est√° a passar de lado. N√£o vemos com essa atitude qualquer mudan√ßa da parte da pol√≠cia, visto que os excessos est√£o a√≠ vis√≠veis‚ÄĚ.

A Jurista aconselha que, é preciso trabalhar naquilo que é a Lei Comercial, divulgá-la, e olhar para actividade da Zunga como uma actividade legal. A venda ambulante está estabelecida na lei da actividade comercial, e é legal.

O Comandante Geral da Polícia Nacional, Paulo de Almeida, pediu nesta quarta-feira desculpas à família de Juliana Cafrique, de 29 anos e a sociedade, vítima mortal de um disparo de arma de fogo protagonizado por um agente da corporação, no final da tarde de terça-feira, no Rocha Pinto, em Luanda.

Paulo de Almeida falava em exclusivo ao Jornal de Angola onde garantiu que o agente que disparou contra a vendedora ambulante está já detido e foi submetido a um processo disciplinar e criminal que, poderá culminar com o seu afastamento da corporação, por má conduta.

O responsável da Polícia Nacional admitiu que, o agente da corporação falhou durante a sua actuação, e nunca deveria utilizar arma de fogo diante de uma cidadã indefesa.

‚ÄúSempre aconselhamos os nossos efectivos que, em caso de os cidad√£os que fazem a venda ambulante estiverem a prejudicar o tr√Ęnsito e se afectar a ordem p√ļblica devem somente aconselhar para se retirarem dos locais de forma pedag√≥gica, evitando usar a arma de fogo‚ÄĚ.
www.unitaangola.org
C:\Mes Sites\Unitaangola29122013\UNITAANGO_WEB\coqUNITA.jpg
Opini√Ķes
 Publicidade
Obra de Isaías Samakuva
Entrevistas
Facebook Youtube Twitter Contacto
Subscreva Newsletter
Todos os direitos reservados
Secretariado da comunicac√£o e Marketing da UNITA
União Nacional para Indepedência Total de Angola
¬©  Copyright 2002-2013
Sexta-feira, 22 de mars de 2019