UNITA - ANGOLA
O regime angolano manifestou irritação com algumas empresas baseadas, em Benguela, por terem aceite fazer prestação de serviços para hospedagens, rente-A-Car, e montagem de material para um comício da UNITA, realizado neste final de semana, naquela localidade, em homenagem ao nascimento de Jonas Savimbi.
29/09/2022
De acordo com a nota de Esclarecimento a que a nossa redação teve acesso na página Oficial do Secretário Provincial e Deputado da UNITA, Nelito da Costa Ekuikui, nesta quinta-feira, 29 de Setembro de 2022, em Luanda esclarece que.

Tendo registado que nos últimos dias pessoas de má fé e com intenção única de instabilidade têm massificado a informação de que ocorreu ou está a decorrer o Processo de pagamentos dos Delegados de Listas em Luanda, o Secretariado Executivo do Comité Provincial da UNITA em Luanda, serve-se desta para esclarecer o seguinte:

1 - A experiência dos pleitos eleitorais anteriores, mostram que o processo de Pagamentos dos Delegados de Listas, deriva das verbas que o governo dá aos Partidos Políticos para o pagamentos dos mesmo. É do conhecimento público, que isto não ocorreu nas eleições de 2022.

2 - Tendo verificado que o governo não pagaria os Delegados, a UNITA em Luanda, optou por formar seus próprios militantes para o controle do voto e para o efeito, em circustância alguma, prometeu dinheiro ou elaborou contratos remuneráveis.

3 - A UNITA tem canais próprios para a Publicação das suas informações. Sobre este assunto, todas as notícias difundidas nas redes sócias não passam de Fake News, milimetricamente elaboradas e acompanhadas na sua implementação, por pessoas pertencentes a um grupo Político de milicianos bem identificados.

4 - A UNITA em Luanda exorta a População da Capital, a estar vigilante a todas as manobras daqueles que a Estabilidade e o bom ambiente Político, de nada lhes interessa.
5 - Para que haja um ambiente Democrático Saudável, continuaremos a trabalhar junto do Povo Luandesse que nos conferiu uma Vitória esmagadora cá na Capital, o que nos legítima a falar em seu nome.

Luanda aos 28 de Setembro de 2022

O Secretariado Executivo do Comité Provincial da UNITA em Luanda

Em destaque
21/09/2022
08/09/2022
O Comité Permanente da Comissão Política da UNITA, esteve reunido em sessao extraordinaria na manhã do dia 14 de Setembro de 2022, em Luanda, orientada pelo presidente do Partido, Eng.Adalberto Costa Júnior.
No dia 24 de Agosto de 2022, os angolanos manifestaram nas urnas a sua vontade de realizar a alternância do poder, ao votar expressivamente na mudança do regime e nunca Angola de liberdade, de justiça, de democracia, de cidadania e de desenvolvimento.
As autoridades educacionais angolanas estarão a manifestar preocupação sobre a presença de alunos que se apresentam com cabelo grande nas salas de aulas. Nas últimas semanas, tem surgido relatos de mães denunciando que os seus filhos estão a ser proibidos de entrar na sala por estarem com o chamado crespo.
Meu nome é Leonilde Gabriel,sou estudante do ensino médio no curso de ciências físicas e biológicas da escola 1230.
Foi cristão baptizado numa das igrejas do nosso país, mas a sua vida começa apenas a complicar desde o dia 26 de Junho deste ano, altura em que sentiu fortes dores de cabeça que culminou em Paludismo, a doença que nos é eternamente diagnosticada nas comunidades de Angola. Até há quem guarde já a sua receita anterior porque acredita que deve ter mais paludismo.
Menongue – Jornalistas dos órgãos públicos debateram em palestra, esta segunda-feira, em Menongue, capital do Cuando Cubango, sobre as novas técnicas de comunicação no ambiente de trabalho e de reportagem, numa iniciativa que visa melhorar a prestação de serviço de informar.
O advogado do ativista Luther Campos, também conhecido por “Luther King”, alertou que a condição de saúde deste, detido há mais de oito meses, “inspira cuidados” e pede “urgência” sob pena de o ativista perder a visão.
A presidente da Assembleia Nacional (AN), Carolina Cerqueira, prometeu, esta quarta-feira, servir com honra e dignidade, nas novas funções legislativas, em prol dos angolanos.
Eco do Partido
Campo do militante
Segundo o Club-k na sua edição desta terça-feira, 03 de Agosto de 2021, se fosse vivo, Jonas Savimbi faria hoje 87 anos. A falta de água potável, de estradas e de saneamento básico sempre foi atribuída ao fundador da UNITA. Houve alguma mudança em Angola desde que o líder da oposição morreu?
No limiar do ano 2001, Jonas Savimbi tinha um plano de paz bem assente e por isso chamou para ir ao seu encontro o General Lukamba Gato que se encontrava nas áreas do Lwandu (a Sudeste da província de Malanje), para em conjunto com o General Dembo, Mais Velho A. Sakala e os outros membros da Direcção do Partido e das FALA que já se encontravam na caravana presidencial, e os representantes no exterior esmiuçarem e materializarem esse plano.
Intolerância
Palavra do Presidente
O presidente da UNITA, oposição angolana, disse este sábado que “o preço do poder não vale tudo, não vale o banho de sangue do povo”, em resposta aos que tencionavam ver a UNITA na rua para conquistar as instituições.

Adalberto Costa Júnior, que discursava este sábado no final de uma marcha promovida pela União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA, maior partido na oposição), em prol da “esperança, liberdade e despartidarização das instituições”, disse que o “povo sabe quem venceu as eleições”.

“Quero dizer a todos que nós continuamos a manter a fé e o foco e a mesma dedicação e força de combate e luta, a mesma de sempre”, afirmou o líder da UNITA, tendo agradecido a todos os angolanos, dentro e fora do país, por terem “votado em consciência”.O presidente da UNITA referiu que o seu partido e parceiros foram pressionados à saírem à rua para conquistar as instituições, após a publicação oficial dos resultados das eleições, que deram vitória ao MPLA, no poder desde 1975.

“Foram muitos aqueles que esperam de nós a voz da rua como a via da conquista das instituições, foram muitos que nos pressionaram e que esperaram que nós déssemos voz de manifestações numa altura em que tínhamos as ruas cheias de repressão”, disse.

Segundo o político, a pressão para que a UNITA fosse à rua reivindicar os resultados eleitorais era uma “casca de banana”, mas, observou, “temos hoje maturidade política”.

“E nós pensamos que o preço do poder não vale tudo, não vale o banho de sangue do meu povo, não vale, não é falta de coragem não, bem pelo contrário”, assinalou, criticando a considerável presença das forças de defesa e segurança na rua “em prontidão combativa”.

Para Adalberto Costa Júnior, que falava perante uma plateia de centenas de militantes, amigos, simpatizantes e membros da sociedade civil que participaram da marcha, “não é normal que aquele que ganhou eleições tenha colocado a repressão na rua”.

“É normal aquele que recebeu o voto maioritário do seu povo ficar com medo do povo? É normal agarrar no aparato máximo de repressão e colocá-los em demonstração de quem tem medo”, questionou.

Centenas de cidadãos, entre dirigentes, militantes, simpatizantes, parceiros da Frente Patriótica Unida (FPU) e amigos da UNITA, membros da sociedade civil e até vendedoras ambulantes participaram este sábado na “Marcha de Esperança e Liberdade”, que teve início o largo do cemitério da Santa Ana e terminou no Largo das Escolas, em Luanda.

Os três rostos da FPU, nomeadamente Adalberto Costa Júnior, Filomeno Vieira Lopes (presidente do Bloco Democrático (BD)) e Abel Chivukuvuku (coordenador do projeto político PRA JÁ Servir Angola) e vários deputados eleitos também participaram na marcha.

Um enorme cordão policial acompanhou o percurso da marcha em toda a extensão da Avenida Deolinda Rodrigues e parte da Avenida Ho-Chi-Min, onde os participantes, maioritariamente jovens, entoavam “cânticos de liberdade”.

“Exigimos um Estado verdadeiramente democrático, somos a favor da paz, queremos uma comunicação social transparente, queremos o nosso voto e exigimos a libertação de Luther King e Ta Nice Neutro”, ambos ativistas detidos desde janeiro, eram algumas das frases escritas nos cartazes que empunhavam.

Sobre as eleições gerais, realizadas há um mês, cuja UNITA, que elegeu 90 deputados, contesta os resultados, apesar de tomar assento no parlamento, Adalberto Costa Júnior disse que a abstenção oficial “não foi verdadeira”.

“Essa abstenção contou com os mortos, contou com duplicação de inscrições, não é verdadeira, os angolanos votaram em consciência e fizerem história”, frisou.

No entender do líder dos “maninhos”, o que determina o poder é um conjunto de duas realidades, nomeadamente a legitimidade e legalidade, considerando que Angola “vive um drama”.

“Há quem tenha a legitimidade e há quem tenha a legalidade autoimposta, auto adquirida e está é a realidade”, frisou.

O líder da UNITA prometeu fazer “tantas marchas quanto necessárias”, à semelhança de este sábado, continuar a luta dentro das instituições e usar “sem limites” do seu poder de conselheiro do Presidente angolano para “aconselhar João Lourenço sobre a necessidade de se construir um país de todos os angolanos”.

Exortou ainda o poder político para a necessidade da implementação das autarquias em 2023 e “exigiu” a libertação de “todos os presos políticos para juntos” construírem “uma Angola melhor”.

A necessidade da libertação dos presos políticos foi também reforçada pelo ativista Dito Dali, que reiterou “apoio incondicional” aos líderes da FPU: “Eles roubaram-nos as eleições, mas não nos roubaram a vontade de continuarmos a lutar”, atirou.

Filomeno Vieira Lopes, presidente do BD, considerou que a marcha foi um momento para “reafirmar que o povo votou efetivamente na alternância para Angola”.

Por seu lado, Francisco Viana, ex-dirigente do MPLA e eleito deputado da UNITA para a legislatura 2022-2027, criticou a não publicação das atas eleitorais pela Comissão Nacional Eleitoral para argumentar que a UNITA “foi roubada”.

Fonte: Observador e Club-k.net
grupo parlamentar 
Segundo à Angop na sua edição desta quinta-feira, 29 de Setembro de 2022, o Presidente da República, João Lourenço, dirige uma mensagem à Nação, a 15 de Outubro deste ano, por ocasião da reunião solene de abertura da V Legislatura da Assembleia Nacional (AN).

O programa da Reunião Solene de Abertura da 1ª Sessão Legislativa da V Legislatura da Assembleia Nacional foi aprovado esta quinta-feira, em Luanda, no final da conferência de líderes parlamentares, orientada pela presidente do Parlamento, Carolina Cerqueira.

Nos termos da Constituição, o Chefe de Estado dirige ao país, na abertura do Ano Parlamentar, na AN (a 15 de Outubro), uma mensagem sobre o Estado da Nação e as políticas preconizadas para a resolução dos principais problemas e para o desenvolvimento do país.

A conferência de líderes parlamentares contou com a presença dos representantes de partidos políticos com assento parlamentar, que no final expressaram a sua disposição e prontidão em representar condignamente o povo soberano nessa V Legislatura, que inicia a 15 de Outubro.

O líder do grupo parlamentar da UNITA, Liberty Chiyaka, disse que os deputados do seu partido estão preparados para este grande momento.

"Nós, enquanto deputados, fizemos um juramento solene para cumprir e fazer cumprir a Constituição e as leis", disse Liberty Chiyaka, que ressaltou a cordialidade da nova presidente da Assembleia Nacional, Carolina Cerqueira.

"Foi bastante positivo sentir, da parte da nova líder do Parlamento, uma boa disposição e cordialidade. Também foi assim com antigo Presidente, Fernando da Piedade Dias dos Santos, com o seu jeito peculiar e um certo humor', vincou.

Por seu turno, o primeiro vice-presidente do grupo parlamentar do MPLA, Reis Júnior, destacou a deliberação do programa da Reunião Solene de Abertura da 1ª Sessão Legislativa da V Legislatura da AN, que será marcada pela mensagem sobre o Estado da Nação pelo Presidente da República, João Lourenço.

Bela Maquias, do PHA, Numi a Simbi, da FNLA e Benedito Daniel (PRS), auguraram por uma legislatura desafiante.

Dos 220 deputados que compõem o Parlamento angolano, o MPLA ocupa 124 assentos e a UNITA 90, ao passo que o PRS, a FNLA e o PHA têm dois parlamentares cada.

Nos termos do Regimento da Assembleia Nacional, a Legislatura compreende cinco sessões Legislativas ou anos parlamentares, sendo que cada ciclo inicia a 15 de Outubro e termina a 15 de Agosto do ano seguinte.


L.i.m.a - actividades
Foi com profunda dor, consternação e repugnância que o Secretariado Executivo do Comité Nacional da LIMA tomou conhecimento do trágico acidente de viação que vitimou 11 pessoas, no passado dia 21 de Setembro do corrente, na província de Benguela!

Nós, enquanto mães geradoras do bem maior, a vida, somos a lamentar o sucedido e solidarizamo-nos com as famílias que uma vez mais perderam os seus entes queridos, por razões não esclarecidas, manifestando o nosso profundo sentimento de pesar pelas vidas perdidas que jamais voltarão e que hão de fazer imensa falta para o país.

O Secretariado do Executivo do Comité Nacional da LIMA, deixa o seu apelo às autoridades competentes, no sentido de se averiguar e esclarecer, as cuasas que estiveram na base desse maldito acidente e que os presumíveis autores sejam responsabilizados,de modos, a que acidentes dessa natureza sejam, definitivamente evitados e garantir aos utentes da via toda segurança que merecem!

Viva o bem vida!

Luanda, 24 de Setembro de 2022

O Secretariado do Executivo do Comité Nacional da LIMA


C:\Mes Sites\Unitaangola29122013\UNITAANGO_WEB\coqUNITA.jpg
 Publicidade
Obra de Isaías Samakuva
Ex-Presidente da UNITA (2003-2019)
Todos os direitos reservados
Secretariado da comunicacão e Marketing da UNITA
União Nacional para Indepedência Total de Angola
©  Copyright 2002-2020
Quinta-feira, 29 de Setembro de 2022