Subscreva Newsletter
UNITAANGOLA
Acordos Comunicados Discursos Estatutos Manifesto Memorando Regulamento
Presidente Samakuva trabalha no Bié
O líder da UNITA deixou este sábado Luanda com destino à província do Bié para mais uma jornada de campo a cumprir naquela região do centro do país.
29/07/2014
Andulo, Nharea e Lubia recebem visita do Presidente Samakuva
Depois de ter estado na Missão Evangélica da Chissamba, no passado dia 27 de Julho de 2014, no âmbito das celebrações do 128º aniversário, o Presidente da UNITA, Isaías Samakuva escalou esta segunda-feira, as localidades de Andulo, Nharea e Lubia, tendo merecido uma recepção apoteótica pelas populações e militantes da UNITA naquelas paragens.

Fazendo uma análise sobre as vias de comunicação, sobretudo o troço rodoviário entre Kuito e Katabola, Isaías Samakuva conclui que os governantes há muito se demitiram das suas responsabilidades.

“Eu fico bastante decepcionado, quando vejo aquilo o que vejo aqui na província do Bié, a estrada que separa o Cuito e Catabola, e fico com a impressão de que os nossos governantes demitiram-se das suas funções”, afirmou a agastado o líder da UNITA.

Para Isaías Samakuva, governar é criar condições para que os cidadãos vivam em condições e lamentou o facto da via de comunicação Kuito/Katabola se encontrar em condições lastimáveis e produzir nuvens de poeira que estarão na origem de muitas enfermidades.

“Eu não falo só dos buracos, mas falo da poeira que faz para os cidadãos que vivem ao longo da estrada, não tenho dúvidas que ali abundam doenças respiratórias e outras por causa dessa poeira que enche as casas dos cidadãos que vivem aí”, explicou.

O líder da UNITA disse ser estranho que uma estrada que todos os anos surge com verbas alocadas no OGE, continue, anos a fio sem ser reparadas.

“Sempre que viemos visitar essas áreas vemos que nada está feito, por conseguinte, a impressão com que nós ficamos é de que os governantes demitiram-se das suas responsabilidades”, afirmou Isaías Samakuva que sublinhou ter constatado na província do Bengo situações idênticas.

Estivemos há dias no Bengo, onde de facto a guerra anti-colonial foi intensa e encontrei o mesmo sofrimento do povo.

“Aqueles que sofreram durante a guerra merecem programas que promovam o bem-estar e tranquilidade. A tranquilidade é ter condições mínimas de vida, são essas condições que não encontramos aqui”, insistiu, criticando o facto de o governo dizer aos quatro ventos, que o seu programa principal é de combate à pobreza.

O mais alto mandatário dirigente da UNITA deplorou a situação por que passam os professores, enfermeiros e autoridades tradicionais que têm sido
vítimas de exclusão por pertencerem à UNITA.

“Estamos a denunciar essa situação que vem da constatação que dirigentes da UNITA fizeram em várias províncias. Estamos a utilizar os Mídias para denunciar e condenar essa prática. Quando o presidente da Republica diz que é presidente de todos os angolanos, no terreno contatamos que é só discurso. Aqueles que não forem do MPLA, são discriminados e excluídos, não são considerados como angolanos, não têm os mesmos privilégios como os angolanos do MPLA” esclareceu o líder da UNITA, reafirmando não ser esta Angola que queremos.
Ler mais
Em destaque
População do Bié confirma o seu apoio à UNITA e ao Presidente Samakuva Unita defende descentralização da execução do orçamento da Huíla
27/07/2014
25/07/2014
A população do Bié brindou este sábado, um jamais visto gesto de carinho ao Presidente da UNITA, Isaías Samakuva, quando este chegou à cidade do Kuito, no início de mais uma jornada de trabalho nas terras de Ndunduma e Mutu Ya Kevela, Kapalandanda e outros. Para o deputado do Galo Negro, a concentração do poder central é uma situação que limita a eficácia da implementação dos programas.
Em Angola há “uma cultura do medo, não há coragem e as pessoas sofrem em silêncio” - Por Angelo Kapwatcha Os bons do MPLA ou os fingidos em bons ? - Por Fernando Vumby
Angelo Kapwatcha o convidado do "Angola Fala Só" desta sexta-feira – presidente do Fórum do Desenvolvimento Universitário, professor universitário e activista dos direitos humanos - foi acima de tudo questionado sobre educação, mas também sobre direitos humanos. Não é novidade para ninguém que dentro do MPLA , existe uma parcela de dirigentes que mesmo acorrentados com uma cortina de ferro , vão correndo certos riscos ao funcionarem como uma espécie de travão da ala mais radical...
Angola poderá um dia confirmar crimes contra humanidade cometidos pelo regime de JES – Por Fernando Vumby
As Mazelas da Democracia Angolana - Carlos Kandanda
Se exumar significa abrir sepulturas onde se encontram cadáveres humanos para realização de estudos de perícia de medicina legal , e se provar muitas causas camufladas e manipuladas pelo regime sobre certas mortes , então Angola vai ter que conhecer qualquer dia este tipo de estudo cientifico. A democracia, no sentido real, é o sistema politico em que a autoridade emana do conjunto dos cidadãos, baseando-se nos princípios de igualdade e liberdade. O cerne da democracia, na sua manifestação teórica e prática, consiste essencialmente nestes dois pressupostos fundamentais
A contribuição da UNITA na construção da Paz regional - Por Numa Kamalata Crimes impunes em Angola
Conhecemos o valor da paz e sabemos que a nossa paz só serve se for destituída de egoísmos, humilhações e inverdades. A paz real é aquela que aponta para a liberdade e se abre para a democracia. Muitos são os crimes cometidos que ainda não foram esclarecidos. O Novo Jornal foi à procura de informações sobre os casos e redigiu cartas ao Ministério do Interior e devidos departamentos, mas nem assim encontrou respostas.
Eco do Partido Campo do militante
Alicerces Paulo Bartolomeu Mango (Aly Mango) é o novo Secretário geral da JURA Homenagem da JURA aos Antigos dirigentes da Organização
O Secretario Geral da JURA não foi encontrado na primeira volta, em virtude de nenhum candidato ter somado 50%+1 o que obrigou e segundo o regulamento eleitoral recorrer à segunda volta que foi disputada entre os dois candidatos mais votados, nomeadamente Aly Mango e Agostinho Kamuango.
Hoje e aqui reconhecemos os esforços de todos, conhecidos e anónimos, vivos e mortos, que contribuíram para que o nome da JURA fosse escrito com letras garrafais nos anais da História da Revolução angolana, em cabeçada pela UNITA, que busca a realização do homem angolano.
Intolerância
Palavra do Presidente
Discurso do Presidente da UNITA no encerramento do III congresso ordinário da JURA
Discurso do Presidente da UNITA na sessão solene de encerramento do III congresso ordinário da JURA

19 DE JULHO DE 2014

Prezados companheiros:

Sinto-me grato e muito honrado por ter esta oportunidade de proferir algumas palavras neste evento significativo da vida do nosso glorioso Partido, a UNITA.

Permitam-me que comece por saudar e reconhecer efusivamente todos quantos aqui se encontram: em primeiro lugar, saúdo e felicito a todos os delegados, que foram eleitos em cada província para representar o colectivo. Saúdo-vos pela vossa própria eleição, como delegados, saúdo-vos pela vossa participação activa nesses debates e saúdo-vos ainda por terem exercido o vosso direito de escolher o Secretário-geral da JURA para os próximos quatro anos.

Saúdo a comissão organizadora, a comissão de mandatos, todas as comissões e subcomissões e a todos aqueles que, fora das comissões trabalharam para o sucesso deste evento. Aos mais velhos que, desde o primeiro dia deste III Congresso Ordinário da JURA, quiseram dar o seu calor aos jovens congressistas durante estes dois últimos dias, também vai a minha saudação.

Pelo que sabemos, algumas lacunas terão sido verificadas aqui e acolá, mas numa empreitada como esta que acabais de realizar torna-se, quase sempre, difícil alcançar a perfeição, pelo que espero haver da parte de todos, indulgência suficiente para relevá-las e capitalizar no trabalho realizado.

Creio que é também oportuno, saudar, agradecer e felicitar os nossos companheiros que nos proporcionaram momentos ímpares de exercício da democracia, apresentando-se como candidatos à eleição e envolvendo-se numa campanha eleitoral levada às várias áreas do nosso País mesmo sabendo que, no final, apenas um seria escolhido. A todas as candidaturas, uma salva de palmas!

Prezados companheiros:

O espírito de competição é salutar. Ele requer coragem de, por um lado, encarar as responsabilidades atinentes ao cargo que se almeja, no caso o cargo de Secretário-geral da JURA, mas por outro lado, aceitar o resultado, seja ele positivo ou negativo. Por isso, saúdo particularmente os candidatos Oseias Chilemba e Agostinho Kamuango, por terem contribuído para o fortalecimento da JURA. Saúdo particularmente o Secretário-geral eleito, Alicerces Mango, por ter merecido a confiança dos delegados, para representar a JURA inteira, para representar o futuro, para simbolizar a luta da juventude pelo resgate do seu futuro. Provastes ao país que na UNITA não há unanimismo, há pluralismo. Não há só uma cabeça que pensa, há muitas boas cabeças a pensar e todas elas são queridas pelos membros, porque todas têm o seu valor. Na UNITA não há um só líder, há vários líderes. Anteontem eu disse-vos aqui desta tribuna que “todos os concorrentes são patriotas convictos e defensores dedicados da causa dos oprimidos em Angola. Todos merecem o nosso respeito e o nosso carinho. A Direcção não interfere, nem precisa de interferir na escolha, porque a escolha é vossa”.

E escolhestes! Escolhestes democraticamente o Secretário-geral da JURA, numa eleição limpa e transparente. Fizeram-no com patriotismo e civilidade, em duas voltas, durante a madrugada: Foi uma eleição competitiva em que todos ganhamos: ganhou o Oseias, porque se ele não se tivesse candidatado, as debilidades eventuais do Aly não seriam apontadas por ninguém e as boas ideias que o Oseias tem para a JURA não seriam conhecidas. Ganhou o Kamuango, porque a candidatura dele também fez o Aly e os seus apoiantes transpirar! Estes dois companheiros ajudaram a transmitir à sociedade angolana e não só, uma mensagem de maturidade política que poucos, no nosso País, conseguem imitar. O vosso contributo traduziu-se numa experiência valiosa para o partido e isso, não será esquecido.

Ao companheiro Alicerces Mango, que saíu vencedor da corrida realizada, quero apresentar, em meu nome pessoal e no da Direcção do Partido vivas felicitações pelos resultados obtidos. Deve contar com o nosso apoio indefectível na materialização das tarefas que o seu novo cargo encerra.

O Aly saíu vencedor não só porque obteve mais votos. Ganhou também noutro sentido: aprendeu que, afinal, a JURA é plural. E que sozinho não vai a lado nenhum. Só conseguiu ser eleito, com o Oseias fora da corrida. E ainda assim, com 56,24% dos votos.

Isto significa que os restantes 44% preferiam outros candidatos! Estes resultados transmitem ao Aly a seguinte mensagem dupla: (1) Os delegados disseram que o
Aly é o representante de todos e, como tal, deve saber escutar e interpretar os sentimentos de todos para construir a vontade colectiva da organização; (2) deve ser humilde e liderar pelo exemplo para conquistar a confiança de todos ao longo do seu mandato.

E assim ganhou a JURA, porque ela sai deste pleito mais fortalecida: sai com um Secretário-geral eleito e que representa a todos. E por isso vai trabalhar com todos e todos vão trabalhar com o Aly. E como o Aly conseguiu a maioria, todos devem respeitá-lo e aceitá-lo como o seu Secretário-geral da JURA e nós também, na Direcção do Partido, vamos apoiar e trabalhar com o Aly. O nosso apoio à JURA passará, a partir de agora, pelo Aly. É assim na democracia.

Contrariamente ao que alguns pensam, considero que os congressos não nos dividem; os congressos unem-nos e fortalecem-nos. Porquê? Porque o Congresso é uma reunião de militantes. E a reunião em si não divide as pessoas. O que talvez divide é o comportamento errado das pessoas em relação à democracia. A democracia encerra dois princípios irmãos e inseperáveis: o princípio da representação e o princípio da maioria.

O princípio da representação significa que a pessoa eleita pelo voto da maioria representa a todos, quer aqueles que votaram nela como aqueles que não votaram nela. Por isso, uma vez eleita, os que não votaram nela, devem esquecer as suas agendas e aspirações pessoais, porque estas não foram escolhidas pela maioria.

E devem imediatamente trabalhar com o secretário eleito na implementação da sua moção de estratégia, aquela que foi votada pela maioria. O Secretário geral eleito, por sua vez, deve recordar-se que apesar de ter sido escolhido pelo voto da maioria, é esta maioria que representa a todos. Por isso, deve trabalhar com todos.

Portanto, caros congressistas, volto a afirmar o que já disse atrás e também já disse na sessão de abertura deste III Congresso: terminada que foi a eleição, também terminou a competição. Terminaram as candidaturas, os mandatários e os apoiantes de A, ou de B. Agora, só há a JURA. Agora só fica o colectivo que vai trabalhar no sentido de elevar, cada vez mais alta, a bandeira do Galo Negro.

Urge, sim, companheiros, implementar o Plano de Acção da JURA para os próximos quatro anos. Espero ver no vosso Plano de Acção propostas concretas para combater os males sociais que enfermam a sociedade angolana e que comprometem o futuro da Pátria! Espero ver no vosso Plano de Acção, medidas concretas para a captação de fundos a partir de iniciativas inovadoras!

Espero ver no vosso Plano de Acção programas de intervenção social que ajudem a reduzir a pobreza, expandir o emprego produtivo e garantir a integração social dos jovens!

Espero ver no vosso Plano de Acção medidas ousadas para combater a corrupção e moralizar a sociedade! A criminalidade de colarinho branco deve ser combatida sem tréguas! Não se deixem distraír pelos pequenos crimes praticados pelos pobres! Denunciem os crimes dos ricos! Os crimes que a crise no BESA trouxe a lume.

Quando os pobres ficam a dever, os Bancos buscam a protecção dos tribunais e da Polícia, e descontam logo nos salários. Ou tiram os bens das pessoas para pagar a dívida, alguns perdem o emprego e vão mesmo parar à cadeia. Mas quando os ricos ficam a dever, lá vem o Estado intervir utilizando o nosso dinheiro para resgatar os ricos! Esta é uma grande injustiça! Isso é o que se passa, actualmente, no caso do BESA. Os angolanos exigem que o Senhor Presidente da República venha a público esclarecer este dossier e responder as seguintes questões fundamentais:

Quem são afinal, as pessoas singulares e colectivas que beneficiaram dos créditos para os quais o estado angolano deu garantias? Qual é a identidade de cada grupo económico em que cada cliente se insere? Qual é o valor total das garantias fornecidas pelo estado? E porque é que o Estado deu garantias a tais créditos?

Que projectos de significativa importância para a implementação dos objectivos constantes do Instrumento de Planeamento Nacional e do Orçamento Geral do Estado/2014 foram de facto financiados?

O dinheiro foi mesmo utilizado para os fins indicados?

Este é um assunto que a JURA precisa de seguir de perto. Precisamos, todos juntos, investigar este dossier, denunciar os crimes envolvidos, se os houver, e mobilizar o povo para que o nosso dinheiro roubado seja resgatado.

O povo está a morrer de fome. Os jovens estão sem empregos, sem futuro, e meia dúzia de pessoas utiliza o dinheiro do povo para enriquecer! E fazem isso com a garantia do Estado!? Então onde estão os criminosos?

Estou convencido que o vosso Plano de Acção irá incluiu medidas concretas para colocar a UNITA ao lado do cidadão, em cada esquina, em cada aldeia, em cada Bairro, em cada área de intervenção social.

Estou convencido que ireis ‘tirar as gravatas’ e trabalhar sem horários, fora dos gabinetes, ao lado dos cidadãos, para melhor compreender a realidade individual e social em que se desenvolve a cidadania e aumentar o grau de interacção com ela, rumo à vitória.

Prezados companheiros:

Agora é, certamente, a melhor oportunidade para manifestar a nossa profunda gratidão e o nosso reconhecimento à nossa companheira Albertina Navemba Ngolo, mais conhecida por Navita. A nossa filha, companheira e colega Navita e o seu elenco, ficaram com a JURA num momento particularmente difícil da sua história.

Para manter a JURA na sua linha e no seu lugar, não só travaram batalhas silenciosas e imperceptíveis aos olhos de quem, distraído ou distante do Partido nunca chegaria a compreender o que estava em jogo. O papel por ela desenvolvido com a sua equipa, foi decisivo para impedir situações desagradáveis para o Partido. Creio que a Navita e a sua equipa deixam hoje a direcção da JURA com o sentimento de missão cumprida. Estou certo de que o partido ser-vos-á eternamente reconhecido.

Peço ao auditório uma salva de palmas para a companheira Navita!

Companheiros:
A Direcção do nosso Partido, então liderado pelo nosso saudoso Presidente Fundador Dr. Jonas Malheiro Savimbi, consagrou o dia 18 de Julho para toda a Juventude Angolana, em homenagem ao jovem comandante David Jonatão Chingunji, mais conhecido por Samuimbila, patrono da JURA, morto em combate contra o colonialismo. É neste dia que a JURA celebra o seu aniversário oficial. A sua criação foi inspirada e materializada pelo saudoso Presidente Fundador Dr. Savimbi, em 1974, peloo que completou, completou ontem 40 anos de existência. Ela não é apenas o instrumento de luta para mobilizar a Juventude angolana para as múltiplas tarefas de interesse nacional, à luz da política de UNITA, mas também deve ser continuadora dos ideais da Liberdade da nação angolana, agora em construção. Entretanto, há factos que não podemos ignorar. Um desses factos é a consagração, pelas Nações Unidas, do 18 de Julho como o Dia Internacional de Nelson Mandela. Esta é uma coincidência inspiradora, pois se de um lado temos por parte do nosso Partido, o exemplo de coragem e de bravura de uma das figura lendárias na UNITA, no concerto de nações temos, para o mesmo dia, outra figura de estatura ímpar que é o Presidente Mandela! É uma coincidência inspiradora e até merecida, porque a luta da UNITA é a luta genuína dos povos africanos pela liberdade e pela dignidade. Os nossos símbolos foram concebidos a pensar na África, não apenas em Angola. O Galo Negro significa o despertar dos Povos de África contra as dominações estrangeiras e contra o neocolonialismo. O nosso Hino diz mesmo:

Portanto, é bom ter em consideração que o dia da JURA é também o dia de Nelson Mandela!
Viva o 18 de Julho; Viva o 18 de Julho.

No momento em que celebramos a realização de mais um congresso da JURA e de mais um ano da sua existência, não só buscamos evocar a memória dos nossos heróis como também somos chamados a reiterar a nossa disponibilidade e a nossa prontidão para continuar a marcha rumo ao nosso objectivo que é tomada do poder político no nosso país para operar a mudança há muito desejada.

Para que isso aconteça, precisamos de encarar com seriedade o lema sob o qual foi realizado este Congresso. As palavras Patriotismo e inovação, devem ser interiorizadas como luz que ilumina os nossos caminhos e como voz que soa permanentemente nos nossos ouvidos de tal forma que, quando acordamos, escutamos ‘patriotismo’ e ‘inovação’; quando nos lavamos, ‘patriotismo’ e ‘inovação’; quando comemos, ‘patriotismo e inovação’; quando andamos ou nos deslocamos, patriotismo e inovação; quando trabalhamos, patriotismo e inovação; quando conversamos, patriotismo e inovação; quando nos deitamos, patriotismo e inovação; quando sonhamos, patriotismo e inovação.

No fim-de-semana, fazemos o balanço e, ao nos prepararmos para a semana, temos de perguntar-nos: o que é que vou fazer para demonstrar o meu patriotismo durante a semana? Em que áreas irei ‘inovar’ durante a semana?

Obrigado pela vossa atenção e declaro encerrado o III Congresso da JURA.

Luanda, 19 de Julho de 2014.
Ler mais
grupo parlamentar - actividade
Deputados trabalham no Dundo
Uma Delegação de Deputados à Assembleia Nacional trabalha desde a última quarta-feira dia 23 de Julho de 2014 na cidade do Dundo, Província da Lunda-Norte. Integram a comitiva os deputados Eugénio Ngolo Manuvakola e Dr.ª Sofia Profírio.

A visita enquadra-se no âmbito da fiscalização, politica Social da Província, consolidação das Estruturas do Partido naquela parcela do Território Nacional.
A mesma vai até o dia 26.07 do ano em curso com uma agenda rica, onde vão visitar empreendimentos Sociais, instituições do governo e interagir com a comunidade estudantil, população e Quadros do partido na Província.

Deputado Manuvakola agradeceu a recepção Calorosa dos quadros do Partidos e da população de que foram alvos e disse trabalhar no sentido de fiscalizar a utilização dos recursos do estado colocados a disposição do executivo para realizar o bem publico.

Ler mais
L.i.m.a - actividades
LIMA saúda patrioticamente todos delegados ao 3° Congresso da JURA
Mensagem da LIMA em solidariedade ao 3° Congresso da JURA

Como em 1973 na Ùria, a Liga da Mulher Angolana – LIMA, faz-se presente, hoje em 2014 em Luanda neste palco do 3° Congresso da JURA (Juventude Unida e Revolucionária de Angola) para felicitar e solidarizar-se com o Braço Juvenil do Partido.

Foi assim ontem, é assim hoje e será assim sempre.
Ser jovem é ter energias; ser jovem é sobretudo lucidez e firmeza na defesa dos ideais mais nobres da causa que o nosso Partido UNITA defende, para que a

Democracia conquistada em 1992, se consolide. Os direitos humanos se respeitem na Liberdade e que a justiça social seja um facto em Angola.

A LIMA saúda patrioticamente todos delegados ao 3° Congresso da JURA.

Caros delegados, compenetrados da vossa missão, pela Ciência e Progresso, emprestai o vosso saber nos debates e buscai consenso para o bem da organização, do Partido e do país. Primam pela pureza ideológica em defesa da causa. Sois a lâmpada da juventude angolana.

A LIMA reconhece todo o apoio prestado pela Direção do Partido, na pessoa do seu Presidente Dr. Isaías Henrique Ngola Samakuva, para que a JURA reencontre a sua dignidade e vitalidade.

A LIMA felicita os candidatos à Secretário- Geral da JURA pela coragem demostrada ao aceitarem submeter-se ao desafio democrático cujo exercício se traduzirá na consolidação da unidade e coesão no seio da organização juvenil.

O momento é de reforçar as estruturas de uma juventude promissora e unida para um amanhã melhor para cada jovem.

JURA! Sois o futuro feliz de Angola.

Nós mães, somos por vós, contamos convosco.

Luanda, 16 de Julho de 2014

O Comité Nacional da LIMA


Ler mais
Vídeos
C:\Mes Sites\Unitaangola29122013\UNITAANGO_WEB\coqUNITA.jpg
Opiniões
 Publicidade
Obra de Isaías Samakuva
Entrevistas
Facebook Youtube Twitter Contacto
Todos os direitos reservados
Secretariado da comunicacão e Marketing da UNITA
União Nacional para Indepedência Total de Angola
©  Copyright 2002-2013
Quarta-feira, 30 de Julho de 2014